BBC Brasil • Integração regional idealizada por Chávez fracassou, dizem analistas • 11/03/2013

Back to Blog

BBC Brasil • Integração regional idealizada por Chávez fracassou, dizem analistas • 11/03/2013

Integração regional idealizada por Chávez fracassou, dizem analistas

Marcia Carmo
De Buenos Aires para a BBC Brasil
Atualizado em 11 de março, 2013 – 17:01 (Brasília) 20:01 GMT

A integração latino-americana nos moldes idealizados por Hugo Chávez durante os 14 anos em que esteve à frente da Venezuela não foi concretizada, e em geral seus projetos nesse sentido tiveram efeito limitado e entram agora num momento de incerteza, avaliam analistas ouvidos pela BBC Brasil.
Essa é a opinião consensual do boliviano Javier Gómez, do Centro de Estudos do Desenvolvimento Trabalhista e Agrário (CEDLA, na sigla em espanhol), do chileno Guillermo Holzmann, professor de Ciências Políticas da Universidade do Chile, em Santiago, e do uruguaio Marcel Vaillant, professor de Comércio Internacional da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade da República, em Montevidéu.

Eles concordam que os discursos e os projetos de Chávez obtiveram “ampla ressonância” mas, na prática, tiveram poucos efeitos.

Para Vaillant, a atuação do venezuelano no plano regional acabou dividindo mais a América Latina. Já Holzmann avalia que os projetos de Chávez, como a Alba (Aliança Bolivariana para os Povos da América) não “vingaram” por “questões econômicas”.

Organizações regionais

Durante o governo de Chávez surgiram a Alba, a Unasul (União de Nações Sul-Americanas), a Comunidade dos Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac) e o Banco do Sul, ligado à Unasul – bloco apontado como iniciativa brasileira que esteve presente em momentos de turbulência política como no Equador, que em 2010 teria sido alvo de uma “tentativa de golpe” contra o presidente Rafael Correa.

Defensores destes projetos entendem que eles significam, “no mínimo”, uma “semente” rumo a uma maior integração regional.

Entre os países que formam a Alba – criada como uma alternativa à Aliança de Livre Comércio das Américas (Alca) – estão, além da Venezuela, Cuba, Bolívia, Equador, Nicarágua e Honduras.

Para o boliviano Javier Gómez, a participação de seu país na Alba provocou um aumento de comércio com a Venezuela e o Equador, mas teve poucos efeitos práticos além disso.

“A Bolívia importou gasolina e diesel com preços preferenciais da Venezuela e papel higiênico de uma multinacional instalada no Equador. A Alba não significou muito mais, além de representar a afinidade ideológica de seus governantes”, disse Gómez.

Para ele, Chávez “protegia” o presidente boliviano Evo Morales, que sentia este “respaldo” em questões bilaterais da Bolívia, como as disputas territoriais com o Chile ou a relação com os Estados Unidos.

“Para Evo, o baque da morte de Chávez foi muito grande. Mas na prática as mudanças econômicas para a Bolívia não foram tão significativas. Em termos de compra de combustível com preços preferenciais, outros países são mais dependentes da Venezuela, como Cuba, Nicarágua e outros da América Central”, afirmou o analista boliviano.

Para ele, as ideias e os discursos de Chávez não mudaram a “dinâmica econômica e social” da América Latina.

Unasul e Mercosul

Vaillant acha que a Alba “não saiu do papel” e a Unasul já “patinava” mesmo antes da morte de Chávez.

“Acho que no período de Chávez a retórica sobre integração cresceu, mas na prática a América Latina se desintegrou. A catarata de anúncios e reuniões refletiram as intenções dos governantes, mas não as políticas de longo prazo ou a institucionalização das ideias que defenderam”.

“Um exemplo claro é o Banco do Sul, que é uma repetição da Cooperação Andina de Fomento. Ou seja, o banco é um projeto que já existia e funcionava”, diz o analista.

Para ele, a integração física, com maior infraestrutura ligando a região, também está “aquém dos anúncios feitos” e, contrariando o “enterro” promovido por Chávez, o professor acredita que a Alca ainda existe.

A iniciativa do venezuelano de se aproximar do Mercosul provocou divisões entre os analistas. Para Gómez, o Mercosul foi “fortalecido” com a entrada da Venezuela e a chegada “garantida” da Bolívia ao bloco.

Contudo, na visão de Vaillant, o bloco econômico saiu “institucionalmente enfraquecido” ao suspender o Paraguai para integrar a Venezuela.

Comércio e independência

Vaillant destaca que na última década diversos países da região intensificaram suas relações comerciais com parceiros distantes, com acordos de livre comércio celebrados com países asiáticos e até com os Estados Unidos.

“A América Latina ficou mais dividida e, no lugar de evolução houve uma involução para refundar a pátria (“grande pátria”, como alguns definem a América Latina)”, declarou.

Na visão do analista, projetos como a Alba geraram “tensão” em outros blocos, como o Mercosul, e “não significaram avanços”.

Holzmann afirmou que o objetivo de Chávez, em termos de integração, era “obter autonomia e independência” dos organismos financeiros e de cooperação administrados pelos Estados Unidos.

“No entanto, a integração associada à Alba e ao Banco do Sul só tinha sentido entre os próprios países que formavam o clube de seguidores de Chávez e dependiam diretamente da capacidade financeira da Venezuela. Era uma proposta de integração limitada”, afirmou Holzmann.

Para o analista chileno, estas iniciativas “dificilmente poderão se manter como opção (a outros órgãos) ao não existir o financiamento da Venezuela, que enfrenta problemas internos de desequilíbrios econômicos”, disse.

Além disso, sem Chávez, as ideias de integração entram “na era das incertezas”, opinou Holzmann.

Para ver la página de origen haga click aquí.

Compartir:

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Back to Blog